quarta-feira, abril 30, 2014

Uma imprensa para chamar de minha


Mauro Pereira

Eu tenho sido um crítico severo do PT provavelmente desde a fundação do partido, não só por sua capacidade de conviver pacificamente durante décadas a fio com a mentira, com a arrogância, com o cinismo e mais recentemente com a corrupção, mas, sobretudo, por sua concepção vesga de democracia. Porém, há que se fazer justiça, a agremiação estrelada não é um deserto de virtuosos. Olhados sem as lentes do preconceito, é possível perceber que os petistas têm uma virtude: eles são praticantes da praticidade! Pelo menos é o que indica a solução prática a que sempre recorrem quando um dos seus está envolvido em algum escândalo. Fiéis ao virtuosismo solitário, juram que é muito mais prático silenciar a imprensa do que se livrar dos seus corruptos.

Nesse atribulado universo convivem numa paz infernal petistas, peemedebistas e outros lulistas menos importantes, mas, nem por isso, menos predadores. Embora seja quase impossível destacar quem é o melhor pior entre tantos políticos e servidores públicos abaixo de qualquer suspeita, duas personalidades chamam minha atenção. O ex-ministro de comunicações do governo Lula, Franklin Martins, e o deputado federal eleito pelo PT do Ceará, José Guimarães. Não que eles sejam os melhores piores, até porque, querer determinar quem é o mais imoral nesse reduto onde valores e preço quase sempre têm o mesmo significado seria uma temeridade e, certamente, eu premiaria a injustiça.

Na verdade, o que os destaca de seus companheiros de partido e de seita é a defesa intransigente da mesma causa: A imposição da censura à imprensa, obscenidade edulcorada pelo pomposo codinome Regulação Social da Mídia. Um é o criador da excrescência, enquanto o outro é o seu defensor e propagador mais entusiasmado.

Apontado como mentor e executor de um dos planos mais sórdidos para amordaçar a imprensa brasileira e de lambujem garantir um espaço mais amplo para difundir a campanha exigindo que Lula seja laureado com o Prêmio Nobel da paz e reconhecido internacionalmente como o maior estadista que a humanidade pariu, definitivamente, a intimidade de Franklin Martins com o núcleo gerador das vontades do governo federal não só o desabilita como regulador do que quer que seja, como, também, avisa que não é ele o democrata mais apropriado para emitir conceito ou opinião sobre o tema imprensa livre. Sua corrompida visão de liberdade padece de confiabilidade e se exauri ante ao quanto o estado estaria disposto a avançar sobre as liberdades individuais para amoldá-la às suas necessidades.

O livre exercício da informação, e como decorrência também o da opinião, é uma das faces mais civilizadas da democracia, portanto, não pode, e nem deve, ser regulado. Nesse aspecto a sociedade deve ser intransigente. Abre-se uma concessão aqui outra acolá e, quando menos se percebe, o nó da mordaça está consumado!

Por mais bobagem que a imprensa livre faça, ainda assim, ela sempre será muito menos imoral do que a pretendida pelo ex-ministro. Idealizada pelas mentes mais brilhantes a serviço da causa petista e concebida nas profundezas das vicissitudes governamentais, a essência da “progressista” regulação se desmoraliza na sua origem. Dificilmente a imprensa sonhada por Franklin Martins escaparia de ser reduzida a um fuleiro balcão de negócios formatado para intermediar os interesses do Executivo Federal e as necessidades dos departamentos financeiros de órgão informativos. A lisura da notícia seria mero detalhe. Ademais, cabe à justiça penalizar os maus profissionais, não ao governo. A este, cabe vigiar para que seus gestores inescrupulosos não tenham acesso às chaves do cofre.

Um jornalista capaz de afirmar que “a liberdade de imprensa só garante uma coisa: que a imprensa é livre. Que a imprensa é boa, não garante. A imprensa livre faz muita besteira, faz bobagem, desinforma”, convenhamos, não repousa seus princípios libertários na naturalidade que o convívio com o contraditório exige e tampouco formou-se para ilustrar a profissão. Quando muito, nasceu talhado para fabricar mitos de araque e vagar pelas redações dos Grammas da vida. Nada além isso.

Menos ilustre na hierarquia petista, porém, não menos perigoso, José Guimarães não dispõe de probidade suficiente para ser o avalista e o garantidor de que essa abjeção jamais se ocupará de pautar os conteúdos originados na área da informação e produzidos no campo do pensamento. O episódio envolvendo seu assessor flagrado com a cueca abarrotada de dinheiro não o recomenda. Aliás, vivêssemos em um país medianamente sério esse senhor estaria em qualquer outro lugar do planeta, menos perambulando pela Câmara dos Deputados.

Lulista empedernido, avisa à nação que, quer ela queira, ou não, “após a reeleição de Dilma” o PT irá implantar o famigerado controle social da mídia. Pouco chegado a ruborizar-se, não procura esconder que, além de impedir que as malandragens de seus companheiros robusteçam as páginas político-policiais, o motivo mais relevante de sua cruzada é blindar o chefe da seita que professa. “A mídia e a elite querem criminalizar Lula e isso o PT não irá permitir”, ameaça, deixando claro que o deus de marta está acima de irrelevâncias como legislação eleitoral e Código Penal e que a sociedade brasileira deve vassalagem inquestionável ao seu mentor. Os rigores da lei é dedicado somente à oposição invejosa, à elite golpista e, principalmente, à direita entreguista e lacaia do império ianque.

Entusiasmado, propaga aos quatro ventos que “Lula é patrimônio da democracia brasileira e merece respeito!”. Aí depende do ponto de vista de cada um. Eu, por exemplo, acredito que Lula é, no máximo, patrimônio do desvario petista, portanto, eles (os petistas) que lhes dê a dose de respeito que acharem adequada. A democracia não pode ser usada como cúmplice da inconsequência política e ideológica.

A despeito da arenga ordinariamente vassala do deputado cearense, eu creio que não estaria sendo injusto nem mentiroso se considerasse que uma significativa parcela de nossa sociedade acredita piamente que pelo menos parte do patrimônio de Lula é que seria patrimônio do povo brasileiro.

Transpirando o cinismo que hidrata seu organismo alulado, debocha de nossa inteligência e convida: “Vamos debater, sem medo, o controle social da mídia”. Debater com quem?, com democratas da estatura de Franklin Martins, de Marilena Chauí, de Emir Sadler, de José Sarney, de Fernando Collor de Melo, de Paulo Maluf? Debater aonde? No Congresso Nacional, antro dominado por deputados e senadores que depositam no silêncio da imprensa a certeza da impunidade? Ou nas universidades, sabidamente devastadas pela ideologização do ensino e reduzida a um vagabundo centro de doutrinação dos estudantes? O debate proposto é tão desatinado, que nem mesmo o pátio da penitenciária da Papuda deve ser descartado.

Alunos aplicados, os petistas e seus companheiros de falcatruas aprenderam na escola da calhordice como esconder por detrás da valentia que nunca tiveram a paúra que sempre os acompanhou. Dissimulados, alardeiam que topam debater qualquer tema, desde que sejam eles os vencedores do debate. Na deformidade conceitual que baliza a moral do lulismo, o mais bem intencionado dos fiéis tem certeza de que a melhor definição de imprensa livre é se ver livre da imprensa.

A volúpia que Franklin Martins, estrela de altíssimo brilho do pensamento governista, e que José Guimarães, lídimo representante da pior safra de deputados e senadores que já passaram pelo Congresso Nacional, dedicam à tresloucada jornada ao centro da censura escancara a pouca fé depositada na divindade de Lula para ao menos amenizar as agruras que diariamente atormentam o planeta PT.

Devota, mas não idiota, a horda petista despe-se de qualquer vestígio de constrangimento e deixa transparecer a realidade que sempre procurou escamotear: ter uma imprensa só para ela é mais do que um sonho de consumo. É uma necessidade premente e vital. Para alguns, é a certeza da tomada definitiva do estado. Para a imensa maioria, é a garantia de liberdade incondicional.

Restaurante Chifral do Barão vai ter promoção especial no Dia do Trabalho


O empresário Ezilane Batista Viana, mais conhecido como “Barão da Cornualha”

Se você estiver pensando em levar a radio-patroa para passar o feriado do Dia do Trabalho em Itacoatiara, aproveite sua estada na aprazível Velha Serpa para almoçar e jantar no badalado restaurante Chifral do Barão, que você não vai se arrepender.

Além de um cardápio especial em homenagem aos trabalhadores, o empresário Ezilane Viana, o “Barão”, também está com uma promoção sensacional: se você levar a esposa e o Ricardão junto, a refeição do Ricardão é por conta do restaurante.

“Foi a maneira que achei pra dar uma força pro casal”, diz Barão, que tem curso de Psicologia em Cornice pela Universidade de Mérida. “O cara já come a mulher do cidadão de graça. Não pega bem o corno ainda pagar a conta sozinho...”

Na sexta-feira enforcada, válida exclusivamente para o jantar, a promoção é mais sensacional ainda: o cliente que apresentar sua carteira de sócio da Confraria dos Cornos no Amazonas vai ganhar um abatimento de 10% no valor da refeição (excetuando-se bebidas alcóolicas).


“As carteiras estão à venda aqui no restaurante pelo módico preço de R$ 50”, explica Barão. “Elas também dão direito ao portador de não entrar em filas de bancos, cinemas e supermercados e de entrar nos ônibus pela porta da frente, sem pagar, porque todo corno também é filho de Deus.”

“Desde que o mundo é mundo, o que não falta é corno”, filosofa Barão. “Até o Adão, que viveu no paraíso sem outro homem por perto, penou com a Eva o traindo com a cobra. Homem que é homem, com certeza ao longo da vida, leva pelo menos um chifrezinho! Se bem que aqui em Itacoatiara tem alguns que tem uma galhada maior que as das renas do Papai Noel...”


A pedido do botafoguense Áureo Petita, o flamenguista Barão listou os 50 tipos de corno mais manjados do planeta:

1. Abelha: O que vai para rua fazer cera e volta pra casa cheio de mé.

2. Ateu: Aquele que leva chifre e não acredita.

3. Atleta: Aquele que quando leva chifre sai correndo.

4. Atrevido: Aquele que se mete na conversa da mulher com o Ricardão.

5. Azulejo: Aquele que é baixinho, quadrado e liso.

6. Banana: Aquele que a mulher vai embora e deixa uma penca de filhos.

7. Brahma: Aquele que pensa que é o número 1.

8. Brabo: Aquele que quando é chamado de corno quer brigar.

9. Brincalhão: Aquele que leva chifre o ano inteiro e no carnaval sai fantasiado de Ricardão.

10. Bateria: Aquele que vive dizendo “Vou tomar uma solução”.

11. Burro: Aquele que segue a mulher o tempo todo e quando flagra a mulher saindo do motel com o Ricardão, exclama: “Eu não estou entendeeeindo!”

12. Camarada: Aquele que ainda empresta dinheiro para o Ricardão.

13. Caninha: Aquele que só chega em casa morto de bêbado.

14. Cebola: Aquele que quando vê a mulher com outro só chora.

15. Prevenido: Aquele que quando chega em casa grita bem alto: “Querida, cheguei!”

16. Churrasco: Aquele que mete a mão no fogo pela mulher.

17. Cigano: Aquele que toda vez que leva chifre, muda de bairro e diz para os vizinhos que veio de São Paulo.

18. Crente: Aquele que sempre crê que sua mulher é honesta.

19. Cururu: Aquele que quando vê a mulher com outro fica todo inchado.

20. Denorex: Aquele que não parece, mas é.

21. Descarado: Aquele que leva chifre e ainda sai desfilando de mãos dadas com a mulher.

22. Desconfiado: Aquele que quando chega em casa procura o Ricardão até atrás dos quadros.

23. Detetive: Aquele que segue a mulher dos cornos e esquece de tomar conta da dele.

25. Educado: Aquele que aprendeu com o pai e nunca deixa de cumprimentar o Ricardão.

26. Elétrico: Aquele que quando os outros falam que ele é corno ele diz “Tô ligado”.

27. Familiar: Aquele que leva chifre de tudo quanto é parente.

28. Famoso: Aquele que por onde passa é reconhecido como tal.

29. Fofoqueiro: Aquele que leva chifre e sai contando pra todo mundo.

30. Fraterno: Aquele que empresta a mulher pro irmão comer.

31. Frio: Aquele que leva chifre e não esquenta.

32. Galo: Aquele que tem chifres até nos pés.

33. Granja: Aquele que dá casa, comida e os outros comem.

34. Inflação: Aquele que a cada dia que passa o chifre aumenta de tamanho.

35. Iô-Iô: Aquele que vai e volta.

36. Manso: Aquele que evita qualquer confusão com o Ricardão.

37. Masoquista: Aquele que leva chifre e não larga a mulher.

38. Matemático: Aquele que vê a mulher fazendo 69 com outro e vai pro bar tomar uma 51.

39. Medroso: Aquele que fica escondido esperando o Ricardão ir embora.

40. Molenga: Aquele que só aparece atrasado na hora do flagra.

41. Papai Noel: Aquele que leva chifre, vai embora de casa e depois volta por causa das criancinhas.

42. Político: Aquele que só faz promessa: “Um dia, eu vou matar esse cara”.

43. Porco: Aquele que só come a sobra.

44. Preguiça: Aquele que vive dizendo “Uma hora eu ainda te pego, uma hora eu ainda te pego...”

45. Recado: Aquele que ainda leva bilhete da mulher para o Ricardão.

46. Teimoso: Aquele que leva chifre da mulher e da amante.

47. Terremoto: Aquele que quando vê a mulher com outro fica tremendo.

48. Vingativo: Aquele que descobre que é corno e vai pra rua dar a bunda pra qualquer um.

49. Xuxa: Aquele que não larga a mulher por causa dos baixinhos.

50. Risadinha: Aquele que leu essas definições e agora está rindo da desgraça dos outros cornos acima citados.

terça-feira, abril 29, 2014

Orgasmo em 20 lições rapidinhas


Carmen Morin

1. Sincronia imperfeita
Um homem leva, em média, dez minutos para chegar lá. Já a mulher precisa do dobro de tempo. No entanto, o clímax masculino tende a ser mais curto do que o feminino, que pode durar de três a 15 segundos.

2. Sentido profundo
A palavra orgasmo vem do grego orgasmós, que significa “inchar devido à umidade, ficar excitado ou ansioso”.

3. Baba de moça
Pouquíssimas mulheres conseguem ejacular. Quando isso acontece, liberam menos de 5 mililitros (ou seja, 1 colher de chá) de fluido claro e doce.

4. Estatística da cama
Setenta por cento das mulheres só conseguem ir aos finalmentes com estimulação clitoriana.

5. Sortudas
Apenas uma em cada dez mulheres tem o privilégio de experimentar orgasmos múltiplos. E quem tem não economiza. O recorde nessa arte foi registrado em 2009, na Dinamarca: 222 orgasmos seguidos!

6. Tsunami de prazer
Pesquisas indicam que a excitação máxima dos bonitões é parecida com a feminina. A diferença é que a dele consiste em um único pico, enquanto a nossa vem em ondas que vão em direção ao abdômen. Especialistas acreditam que esse movimento ajuda a levar os espermatozoides aos óvulos.

7. Tempo inimigo
Quanto mais velha, mais curtos são seus orgasmos.

8. Desejo na cabeça
A cantora Lady Gaga garante ter orgasmos com o poder da mente. Verdade ou não, em uma coisa ela está certa: o prazer não ocorre no clitóris, mas no cérebro. A natureza, inclusive, nos deu a capacidade de chegar lá em sonhos. Eles criam uma ilusão de estimulação física tão poderosa que você atinge o ápice sem nem precisar ser tocada.

9. Caras e bocas
Já notou que é impossível controlar suas expressões faciais no momento do nirvana? Isso acontece porque as partes do cérebro responsáveis pelo prazer e pela dor são estimuladas ao mesmo tempo nessa situação.

10. Não dói nada!
A propósito, quando está absorta no clímax, você fica bem menos sensível à dor. É por isso que só percebe o estrago que o tapete fez na sua pele bem depois de ter rolado horas a fio nele.

11. Terapia relaxante
O orgasmo também faz a mulher desligar a área do cérebro responsável pelo medo e pela ansiedade.

12. Doce remédio
É oficial: chegar ao clímax faz bem à saúde. Os benefícios incluem aumento da longevidade, melhora no sistema imunológico, diminuição das chances de ter um câncer ou um ataque cardíaco.

13. Ginástica sexual
Um orgasmo queima apenas 2 ou 3 calorias. A boa notícia é que, durante uma “rapidinha”, você gasta cerca de 50.

14. Prevenção sexy
Quanto mais um homem faz sexo, menores as chances de ter câncer de próstata.

15. Mon amour
Em francês, a expressão la petite mort, a pequena morte, é metáfora para o clímax. Ela também pode significar libertação espiritual ou transcendência.

16. Efeito duradouro
O corpo feminino demora de 15 a 30 minutos para voltar ao ritmo normal depois de uma sessão de sexo. Já para os homens, a excitação acaba no minuto em que eles ganham a corrida.

17. Estraga-prazeres
Cerca de 5% das pessoas no mundo são fisicamente incapazes de chegar ao orgasmo. Entretanto, o número de mulheres que não conseguem obtê-lo na relação sexual pode chegar a 20%.

18. Atriz perfeita
Felizmente, o número de mulheres que fingem na cama vem caindo.

19. Diga-me como anda...
E direi como você é na cama! Algumas características anatômicas que tornam o sexo mais gostoso podem ser identificadas por meio do seu caminhar. Passos largos e ligeiro rebolado, por exemplo, indicam que você tem mais flexibilidade para chegar lá.

20. Músculo do sexo
Um estudo italiano indicou que andar de salto ajuda a relaxar e fortalecer os músculos da região pélvica. De acordo com a pesquisa, é preciso que o salto seja confortável e não ultrapasse 7 centímetros. Seu amor nunca mais vai reclamar quando você aparecer com um novo par.

Fala que eu te escuto ou então pergunte ao Buda!


O Buda não é um asteroide, mas caiu do céu

Caro Buda: Tenho 42 anos, estou casada há 30, e meu marido me bate todo santo dia. Não suporto mais esta triste rotina e, além disso, o pessoal do Pronto Socorro João Lúcio não aguenta mais ver minha cara quebrada. O que devo fazer? Me ajuda, Buda! – Desesperada do São José.

Cara Desesperada: Buda (eu) dizia há dois mil anos: “O gafanhoto quando pousa na flor de lótus à beira do lago azul é como um ramo de trigo”. Quer dizer, mulher é assim mesmo: só funciona na base da porrada.

Venerável Buda: Na semana passada, quando ia pedir uma xícara de açúcar pro meu vizinho, vi uma cena horrível: a vizinha estava com a cabeça enfiada no aparelho de TV, enquanto seu filho chorava e gritava: “Eu quero ver as Chiquititas!”. Antes que eu pudesse fazer qualquer coisa, aquele brutamontes começou a chutar a minha cabeça e ainda por cima quebrou a minha xícara. Me ajuda, Buda! – Vizinho da Desesperada do São José.

Caro Vizinho etc. etc: Buda (eu) disse: “Um ramo de gafanhoto é como um lago de trigo no lótus azul”. Quer dizer, vizinho é assim mesmo: só funciona na base da porrada.

Seu Buda: No outro dia, o meu pai bateu na mamãe, depois bateu nimim. Isso ele faz todo dia. Eu só fiquei muito chateado quando ele jogou a mamãe dentro da televisão, por causa de que aí eu não vi mais as Chiquititas. Me ajuda, Buda! – Filhinho da Desesperada do São José.

Caro Filhinho: Buda (eu) disse: “Um ramo de trigo é como a flor de lótus no gafanhoto azul”. Quer dizer, criança é assim mesmo: só funciona na base da porrada.

Buda, seu merda: Outro dia, joguei a minha mulher na televisão, bati no meu filho e chutei a cabeça do babaca do meu vizinho. E o que é que tu tá olhando aí? Vai encarar? – O Fodão do São José.

Caro Fodão: Buda (eu) dizia: “Um lago de gafanhoto é como um azul de trigo de lótus”. Quer dizer, você está no caminho da verdade, meu filho. Pelo que sinto e vejo, você é um cara legal, bacana a beça, gente finíssima. Continue assim. Desculpe qualquer coisa, hein? Muito atenciosamente, Buda, seu Criado.

Querido Buda: Estou apavorado! A cada dia que passa, aumenta o meu desespero e o medo de contrair aquela doença horrorosa – eu não tenho nem coragem de dizer o nome, só sei que começa com AI e termina com DS.

Trabalho como auxiliar de massagista nas termas Ao Veado de Ouro e até agora só eu e o vigia noturno não pegamos essa desgraça!

Queria que o Sr. me desse alguns conselhos, mas preferia que fosse pessoalmente, pois não me sinto muito à vontade falando dessas coisas na frente de todo mundo.

Já peguei o seu endereço e estou indo pra aí. Me ajuda, Buda! – Rapaz Alegre e Preocupado da Cidade Nova.

Caro Rapaz Alegre e Preocupado: Para! Para! Fica na tua! Nem mais um passo! Tu vai ficar quietinho, que Buda (eu) vai fazer uma mentalização que levará até você aquela energia positiva capaz de lhe dar forças para encarar o inevitável com coragem e disposição, para que você possa passar desta para melhor numa boa, tranquilão, na maior naice.

Mas atenção: essa mentalização só terá efeito se você estiver a uma distância de, no mínimo, 350 quilômetros de Buda (eu). Ufa! (eu).

domingo, abril 27, 2014

Dois perdidos numa noite suja


Anos 60. Divaldo Martins, hoje juiz aposentado, e Odivaldo Guerra, hoje despachante aposentado, eram estudantes do Colégio Estadual e parceiros de gandaia.

Divaldo morava no Conjunto Kubistchek, na Waupés, e Guerra, na rua Parintins, entre a Borba e a Urucará, ambos na Cachoeirinha.

Uma determinada noite de fevereiro, os dois resolveram tirar o atraso com as raparigas da boate Tererê, no coração da red zone de Manaus (o quadrilátero compreendido entre as ruas da Instalação, Frei José dos Inocentes, Itamaracá e Leonardo Antony).

Como eram lisos e confiados, a situação exigia o famoso xexo, ou seja, depois do serviço consumado, pernas pra que te quero e as vadias que fossem se queixar ao bispo.

Guerra deixou a sua lambreta estacionada num ponto estratégico da rua da Instalação e combinou com o garupa, Divaldo, a presepada. Os dois foram à luta.


Meia hora depois, Guerra saiu vazado do cafofo onde abatera a lebre, montou na lambreta, ligou a máquina e ficou esperando pelo parceiro.

Três minutos depois, lá vem Divaldo na carreira, sendo perseguido por uma puta armada de “jiquitaia” (uma lâmina de barbear encastoada entre dois palitos de picolé, que funcionava como uma navalha Solingen afiadíssima).

Nessa noite, Divaldo estava estreando um mocassim Ballet e, correndo em cima de paralelepípedos, o sapato do pé esquerdo ficou no caminho.

A puta apanhou o sapato como se fosse um troféu de guerra, mas continuou a perseguição.

Para sorte de Divaldo, estava passando o último ônibus da meia noite pela rua da Instalação.

Ágil como um gato, ele conseguiu subir no ônibus em movimento, sentou-se em uma das janelas sério que só cachorro andando de canoa, enquanto a puta corria ao lado do ônibus, gritando toda sorte de imprecações e triturando o mocassim com sua “jiquitaia” amoladíssima.

A puta desistiu da perseguição na rua Sete de Setembro.

Guerra acompanhou a presepada, montado na lambreta e seguindo o ônibus.

No Canto do Quintela, Divaldo desceu do ônibus, subiu na garupa da lambreta e os dois foram para casa.

Naquela época, os pais só davam sapatos para os filhos uma vez por ano, quase sempre no Natal.

Divaldo passou o resto do ano enfaixando diariamente o dedão do pé esquerdo com esparadrapo, para poder sair de casa usando, em um dos pés, o mocassim, e, no outro, uma sandália havaiana.

terça-feira, abril 22, 2014

E aí, peixe, tu é mano ou mané?


Um dos tipinhos mais comuns nas raves, nas nights, nas houses, nas lajes, nas overnights, nas baladas e nas fuleiragens propriamente ditas são “os manos”. Isso acontece porque os caras não são Deus, mas tem o dom de estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Em qualquer buraco que você se enfiar, vai ter um grupinho de manos curtindo o seu funk ostentação e dançando animadamente.

O diabo é que se todos os seus amigos são assim, com certeza você já se tornou um mano e nem se tocou. Chegou, então, a hora da verdade pra saber se você é mano ou mané! Basta marcar 1 ponto pra cada resposta afirmativa e confirmar o resultado no final. Se passar dos 20 pontos, tu já na fita, mas ainda tem salvação. Se atingir a barreira dos 30, aí tu tem que descolorir o cabelo e fazer umas tatuagens fuleiras nos braços, porque tá tudo dominado! Se atingir a barreira dos 50, é porque tu já tá na escama de uma gravadora fundo-de-quintal pra gravar o primeiro CD de manos da tua rua.

1. Você tem um Opala preto (ou de outra cor escura) ou ainda sonha em ter um?
2. A melhor notícia que você recebeu este ano foi que o insufilm está legalizado?
3. Você tem todos os CDs dos Racionais MC’s, Ermicida e Ndee Naldinho no seu Opala?
4. Você chama todos os seus amigos de “mano”?
5. Eles usam a palavra “mano” antes do seu nome (exemplo: o seu nome é Décio da Viola e todos te chamam “Mano Décio da Viola”)?
6. Você frequenta danceterias, apesar de só gostar de rap, funk ostentação e pagode?
7. Você gostou da música que os Racionais gravaram com o Negritude Jr.?
8. Você também achou que foi uma combinação perfeita, uma coisa, assim, sei lá, de pele?
9. Você chama o seu pagamento de “pagode” (exemplo: no dia do pagamento, você diz “Hoje é dia do pagode, mano!”)?
10. Você anda rebolando e com cara de mau?
11. Você fala com a língua presa igual aos seus cantores favoritos?
12. Você sonha em ser preso só pra pegar autógrafo dos seus artistas favoritos?
13. Você acredita que a Vaneska Popozuda é uma grande filósofa só porque ele tem o fiofó bem avantajado?
14. Você tem um boné, boina, touca ou gorrinho vagabundo, que nunca tira da cabeça?
15. E você dorme com ele na cabeça, também?
16. Você geralmente usa o artefato anterior cobrindo as suas sobrancelhas?
17. Suas camisas de meia têm estampas fuleiras do Chicago Bulls, New York Knicks ou Houston Rockets e foram compradas no shopping “bate palminha”?
18. Seu esporte favorito é basquete de areia (mas, no seu caso, você joga na terra mesmo de terrenos baldios)?
19. E você joga melhor quando está ouvindo rap?
20. Você tem óculos escuros, daqueles espelhados que cobrem desde os olhos até as orelhas?


21. Sua rádio favorita é a Difusora e você ouve todo dia os comentários “inteligentes” do Waldir Corrêa, o “Garotinho”?
22. Quando você chama o manobrista daquela casa de pagode na Av. do Turismo, você, na verdade, pensa que o cara é só um camarada cujo nome é Brista (“Fala, Mano Brista!”)
23. Sua roda de amigos é formada só por pessoas do sexo masculino, pois não dá pra chamar uma garota de “mano”?
24. Você faz desenhos no seu cabelo com a máquina número zero?
25. Você assistia ao Xuxa Park só pra ver o You Can Dance?
26. Você não sabe a fórmula da hipotenusa, mas sabe cantar “O Homem da Estrada”, “Fim de Semana no Parque” e “Diário de um Detento”, de cor e salteado, de trás pra frente e até na língua do pê?
27. Você tem um bigodinho escroto igual ao do Vampeta?
28. E você acha mesmo que as mina gostam de caras com bigodinho escroto igual ao do Vampeta?
29. E, realmente, depois que você passou a usar o bigodinho até descolou umas mina?
30. No dia de visitas ao presídio, você vai só pra dizer depois “Passei o dia na cadeia, mano!”
31. Você se refere à polícia como “Idiotas Fardados” ou “Filhos-da-puta comedores de carniça”?
32. Você é flamenguista ou corintiano?
33. Você fala que é “contra o sistema”, mas não tem a menor ideia do que isso significa?
34. você riscou todos os discos da jovem guarda do seu pai tentando fazer “scratches”?
35. Você já montou uma bike envenenada comprando peças no ferro-velho?
36. Você mora no Zumbi dos Palmares, mas frequenta aquela casa de fliperamas na Cidade de Deus porque lá a ficha é mais barata?
37. Você usas as expressões “da hora”, “firmeza”, “é nóis”, “uh, tererê”, “na escama” e “descolar uma parada”?
38. Quando alguém te pergunta se você ficou com aquela mina, você responde: “Não, só dei um tapa no capô de fusca, mano!” (como se fizesse alguma diferença...)?
39. Quando uma cara tá “viajando na parada”, você diz “Se situa, mano! Ô, loko!”?
40. Você já fez um assalto?


41. Você já tomou chá de cadeira na delegacia?
42. Sua discoteca favorita era antes um lugar só de playboys e mauricinhos, mas como o preço baixou (e agora eles estão tocando um pouco mais de rap e pagode), você e seus amigos baixam lá todo fim de semana?
43. Você usa calças folgas com o cós da cueca aparecendo?
44. Você é capoeirista da linha Angola?
45. E sabe tocar berimbau com moedinha de 10 centavos?
46. Você chama a sua turma de “sangue bom”?
47. Sua mãe trabalha como empregada doméstica ou lavadeira?
48. Seu pai é aposentado pela prefeitura por invalidez, mas faz “bico” de vigia noturno?
49. Seu irmão começou a vida como “avião” do Gerson Leproso, mas hoje é Testemunha de Jeová?
50. Sua irmã é dançarina de strip-tease no Rêmulo’s ou professora primária da zona rural?
51. Seu tio favorito é gigolô da pesada ou viado educadíssimo?
52. Todas as pessoas da sua rua acham que você é drogado? (não precisa responder se é ou não)
53. Todas as pessoas da sua rua acham que você é traficante? (também não precisa dizer se é ou não)
54. Todas as pessoas da sua rua sabe que você é drogado? (não precisa responder, nem disfarçar)
55. Todas as pessoas da sua rua sabem que você é traficante? (não precisa responder, nem dar tiros pro alto nem mandar matar ninguém)
56. O delegado do seu Distrito já sabe que você é drogado?
57. O delegado do seu Distrito já sabe que você é traficante e só está esperando você marcar bobeira pra te botar no xilindró?
58. Você paga proteção pra ficar solto ao delegado?
59. Você já fez uma presença pro delegado?
60. O delegado já fez uma presença pra você?

Resultados:
00: Parabéns, você não tem nada de mano. Tente o teste do mané...
01 a 09: Ih, cara, já tem uma influenciazinha de amigos nessa parada, hein?
10 a 19: Porra, tu tá bem enturmado com os manos da cidade.
20 a 29: Mano padrão... Curte um rap, pagode, turminha... Sossegado, mano!
30 a 39: Mano, não é querer gabar não, mas você já tá no grau!
40 a 49: Se um skinhead te vê por aí, ele atravessa a rua e sai correndo...
50 em diante: Dizaê, Mano Brown!

Por que os fãs de pornô são as últimas pessoas decentes na Internet


Calvin Hennick, da Esquire (tradução de Sergio JR)

Pelo menos os que postam comentários...

Há um lugar na Internet onde não há trolagem, belingerância, ou trocadilhos infames. Um lugar onde ninguém é comparado a Hitler ou a Sarney. Um lugar totalmente imune a dissecações equivocadas do Obamacare, um lugar onde ninguém xinga o próximo de “petelho” ou “fascistóide” e as pessoas são capazes (é verdade!) de se abster de sugerir ao semelhante que vá pra putaquepariu.

Esse lugar é a seção de comentários de qualquer site pornô.

Enquanto os comentários no resto da web aparentemente são fruto de uma linha de montagem hiperprodutiva tocada por babacas solitários, paranoicos e de pavio mais curto que coice de preá, os comentaristas dos sites pornôs não estão nem aí para provar que são mais espertos do que você ou para estragar o seu dia. Seus objetivos são muito mais simples.

Veja estes singelos exemplos catados no XVideos, um portal onde passei horas, er... pesquisando o fenômeno:

“O traseiro dela é TOP!”
“Nota 11! Essa nunca perde a validade!”
“Ótimo vídeo.”
“Do cacete. Qual é o nome dela?”
“Se a Kendra fosse minha irmã eu pegava. Pode isso Arnaldo?”

Ok, talvez nem tudo seja tão edificante assim... Mas sinta só, quantas declarações sinceras e diretas de admiração, junto de um simples pedido de informações (“qual é o nome dela?”).

Agora considere quão raras são coisas desse tipo no resto da web. Em quase todo site recomendável para se navegar no trabalho, a turba comenta não para agradecer, mas para soltar os cachorros. Não para perguntar, mas para pontificar. Procure algum comentário num blog cultural que diga “grande artigo! Em que livraria eu compro as obras completas do Campos de Carvalho?” Não vai achar, gafanhoto... (Mas acusações de “petelho” ou “fascitoide” vão estar lá).

Não é só a política ou cultura que trazem à tona o pior da raça humana. A seção de comentários de qualquer portal esportivo, depois de uma rodada do Brasileirão é um guisado tóxico de homofobia, xingamentos e deglutição de bacabas. Assista a qualquer videoclipe no YouTube, e com certeza estará infestado por uma legião de fedelhos descolados dizendo que seu gosto musical é uma merda. Eu mesmo vi o estopim da Terceira Guerra Mundial ser acesso numa discussão sobre qual é a melhor forma de se treinar para o trecho de natação do triatlo.

Pelo visto, não há como evitar que sejamos escrotos uns com os outros na internet – a não ser que estejamos assistindo a uma boa e velha putaria, o que nos faz recobrar rapidinho nossa etiqueta.

Há exceções – a maioria dos vídeos com musas do tipo “gordelícia” atrai comentários como “que mulherão” e “perfeita!”, mas nem todos. Vez por outra um clipe interracial se torna uma espécie de ímã atraindo sermões segregacionistas. Mas a vasta maioria das pessoas segue o conselho da Sra. sua mãe e ou dizem alguma coisa gentil, ou se calam.

A questão é: por quê? O que o pornô tem de especial que nos impede de virar essa claque ambulante que nos tornamos em qualquer outro lugar, no instante em que conseguimos uma conexão WiFi?

A explicação fácil é que só ficamos com uma das mãos livres pra comentar. Ou teria a ver com o desvio do fluxo sanguíneo do cérebro para outro lugar. Mas acho que tem coisa mais profunda envolvida.

Pornografia é um lance primal. Em qualquer outro endereço online – mesmo em lugares em que você está anônimo – nós, digamos, continuamos “vestidos”, incapazes de desnudar nossos egos. Achamos que estamos, como diria J. Silvestre, “absolutamente certos” sobre tudo – e é muito importante que todos saibam disso.

Mas quando vemos um pornô, não estamos tentando impressionar ninguém ou provar nada para nós mesmos. Ficamos totalmente “pelados”. E assim, em vez de criticar os vídeos ou debater seus méritos até odiar uma pessoa que nunca vimos na vida, a gente simplesmente relaxa e goza em nossa humanidade compartilhada.

Dúvidas sobre sexo? Pergunte ao venerável Volin Rabar!


Feminismo, direitos iguais, boas maneiras, respeito pelo sexo oposto, ternura e gentilezas... Pois é, gafanhoto, você já usou todos esses artifícios e ainda não conseguiu comer ninguém?! Então, vamos logo acabar com essa palhaçada.

Você precisa de ajuda profissional. Pergunte ao Volin Rabar, o sábio iniciado nas artes milenares orientais do sexo tântrico, tradutor do Kama Sutra para 117 línguas e um verdadeiro homem santo, que sabe como tratar uma mulher. Vamos ouvir nossos queridos leitores:

Senhor Volin Rabar, tenho 32 anos e ainda sou virgem. Só tive uma namorada na vida, aos 27 anos. O que o senhor acha que devo fazer? Sempre sonho em transar com um mulherão tipo aquelas gostosas do Pânico na Band, mas pelo jeito tá difícil. Quais os conselhos que devo tomar para acabar logo com minha virgindade?

Francisco Eugênio (minasmil@hotmail.com)

Virgem Pupilo, nessa situação tão desesperadora o conselho milenar do Volin Rabar é que o senhor procure ajuda profissional, quer dizer, na casa das tias, em lupanares, em rendez-vous, em bregas, na putaria mesmo, onde você preferir. Porém, tenha alguns cuidados. Fundamentalmente NÃO BEIJE NA BOCA, afinal você não quer chupar pau por tabela, correto? Também NÃO CHUPE BUCETA, afinal você não quer testar o DNA alheio, confere? Por último, jamais se apaixone, a não ser que você seja mineiro de Varginha ou gaúcho de Pelotas. Caso não consiga comer nem puta, aconselho o uso de outros paliativos como a charmosa cabritinha do seu vizinho, aquela adorável boneca de plástico do seu primo, o cano de escapamento do seu fusquinha, melancia, jerimum, tronco de bananeira, loca de bodó, enfim, qualquer buraco medianamente apertado que você encontrar. Se mesmo assim não der certo, passe molho de tomate na parte da frente (ou clara de ovo na parte de trás) da cueca e coloque no quarador pra todo mundo saber que você não é mais virgem!

Caro Rabar, estou com um problema sério, pois a maioria dos meus amigos é arroz com brocólis enquanto eu só penso em enfiar o espeto, causando uma pequena divergência entre nós. O que devo fazer, como posso convencê-los?

Marcelo Camargo (olecram@gansa.com.br)

Não me admira que seus amigos arroz com brócolis não queiram que você enfie o espeto. Afinal, até os gays gostam de bater um papinho antes de tocar uma flauta doce. Converse com eles, abra seus sentimentos, ouça Caetano Veloso, Erasure, Morrissey, Village People, em companhia dos rapazes. Quem sabe você não descobre uma nova vocação. Afinal nunca ninguém ouviu falar em ex-viado.

Prezado Volin, conheci uma gata faz 15 dias e uma semana depois eu passei o rodo, mas ela não quis liberar o plissadinho nem pra eu dar uma lambidinha. Como faço para convencê-la a liberar a micharia?

Daniel Gomes (dani96@nightmail.com)

Minha namorada só quer saber de “papai-e-mamãe”. Como faço pra ela entender que já estou cansado dessa posição? Será que devo sugerir vaselina pra ela?

Infotarado (koelho@zipmail.com.br)

Por que toda mulher tem que ficar com frescura quando queremos comer a bundinha delas?


Caros lambedores de briocos. Pra convencer suas gatas a liberarem a porta de serviço, vocês poderão dizer para elas o seguinte:
1.Cu é o melhor anticoncepcional que existe.
2. Dar o cu é ótimo para deixar a bunda mais bonita.
3. Se você não me der o cu, vou pedir o da vizinha.
4. Vou por só a cabecinha...
5. Êi, parece que o sabonete caiu no chão...
6. Os gregos criaram a base da civilização ocidental fazendo isso.
7. Eu juro que não conto pra ninguém.
8. Por favor! Por favor! Por favor!
9. Estou ganhando um cachê pra ser piloto de teste desta nova margarina.
Mas lembre-se de que ela pode vir com uma estória de que só topa se você sentir o mesmo que ela. Nesse caso, caia fora! Você está prestes a ser enrabado. E nunca ninguém ouviu falar em ex-viado.

Senhor Volin Rabar, me dê todas as dicas para tratar bem uma mulher. Como posso saber se estou tratando bem dela? Quais são as reações possíveis? Se ela gostar dos meus tratos, o que devo fazer para que eu consiga logo a xereca?


Dê para a mulher o que ela quer. O que ela tanto inveja. O que ela tanto deseja. O que o homem tem e ela não. O sabugo. A estrovenga. O cheio-de-varizes. O mastruço. A cobra boiúna. Como saber se ela está gostando? Leve-a para jantar, encha a cara de truaca e mande-a pagar a conta. Depois, leve-a para o motel, goze rapidinho, vire-se na cama, durma uns 30 minutos e mande-a pagar a conta. Se ela não te capar, é porque está gostando mesmo de você...

Eu não consigo pegar uma garota de 14 anos e preciso de sua sábia ajuda. Por favor, como faço?!


Caro papa-anjo. Quando você descobrir como pegar uma menininha de 14 anos, conte para o velho Volin Rabar. Eu também estou louquinho para rasgar uma no meio.

Como faço para conquistar a namoradinha de um amigo meu?


Para que conquistar a namoradinha de um amigo seu? Tudo bem que mulher só serve mesmo pra gente rasgar no meio. Só que tem mais de 5 bilhões de mulheres disponíveis no planeta e você não precisa perder um amigo só pra tirar o sebo da espada.

Uma mulher namora muito tempo um cara, aí termina com ele, aí você sai com ela e começa a ficar com ela, aí se essa mulher fala pra você que não sabe se quer ficar sozinha para esfriar a cabeça e pensar na vida, e não dar motivos pra ninguém falar que ela fica com você para esquecer do outro, o que você faria????

Fabão Inseguro (fabão-in-seguro@gmail.com)

Caro Fabão! A única solução, neste caso, é chorar, pois tudo isso que ela quis dizer, traduzido para o português fluente, é que a safada está FFL (Fudendo Feito Louca) e se divertindo com outras manjubas, com certeza, bem maiores que a sua. Seja digno e homem suficiente para pelo menos chorar no colo de outra mulher (elas adoram essa porra!).

Quais os direitos da mulher (Estatuto da Mulher) referendados pela Lei Maria da Penha?


Adorável Aparecida, pelas lembranças do sábio Volin Rabar, os direitros da mulher são:
a) Esquentar a barriga no fogão.
b) Esfriar no tanque.
c) Sangrar todo mês.
d) Fazer cesariana em vez de parto normal, pra não estragar o campo de futebol.
e) Entrar na sala pra trazer cerveja em dia de jogo de futebol pela tevê.
f) Fingir que está tendo orgasmos durante a transa, já que um macho de responsa nem presta atenção nessas coisas...

quarta-feira, abril 09, 2014

DJ multiculturais agitarão a festa da Corrida do Arco-Íris


O DJ espanhol Nacho Chapado é presença confirmada no agito

Lançada oficialmente nesta terça-feira, 8, a Corrida do Arco-Íris está sendo organizada pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejus), e tem como objetivo reforçar a luta pelo direito à dignidade e o respeito à diferença. O evento, aberto ao público em geral e gratuito, será realizado no Dia Internacional de Combate à Homofobia, 17 de maio, a partir das 17h30, no anfiteatro da Ponta Negra, em Manaus.

A largada da corrida será realizada a partir das 17h30, em frente ao Comando Militar da Amazônia (CMA) e terá percurso de 5 quilômetros até a Ponta Negra, em Manaus (AM). Há premiações até o décimo colocado na corrida, que vão de R$ 100 a R$ 2 mil, além da entrega de medalhas.

No fim do percurso de cinco quilômetros vai acontecer uma grande festa, com a apresentação de DJs internacionais e nacionais que agitam as “baladas” LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) mais famosas do mundo.

As atrações confirmadas são o DJ espanhol Nacho Chapado, da carioca Ana Paula (rainha das baladas LGBT), o DJ Morais (residente da The Week), o paulista Márcio S. (residente do D-Edge-SP e do SUB-Manaus) e o amazonense Pedro Gaioto. A festa da corrida será no estilo sunset, ao por do sol.

Jose Ignacio Chapado, mundialmente conhecido como DJ Nacho Chapado, é um dos “queridinhos” das festas LGBT mais requisitadas do Globo. Seu diferencial é um som que alinha house music com o pop de artistas e bandas como Avril Lavigne, Icona Pop, Lana Del Rey e Pet Shop Boys.

Também é especialista em fazer remixes como o que fez para a música “The World Is Mine", do DJ Peter Rauhofer, que morreu recentemente, aos 48 anos. Aliás, Peter é uma das inspirações de Nacho Chapado que, dependendo da pista, faz uma session em homenagem ao DJ. Apaixonado pelo Brasil, ele inclui ainda em seu set hits de DJs brasileiros de alta performance como Mau Mau, Gui Borato, Renato Ratier e outros.


Já a carioca Ana Paula é a “rainha” das pistas gays mais “bombadas” do Brasil, como a residência que fazia na The Week, premiada boate que possui unidades em São Paulo e no Rio de Janeiro. Também foi titular das pick-ups do clube Flexx, em Sampa, e de outras casas do circuito LGBT. Ela domina a cena eletrônica com apresentações de house, disco e alguns estilos musicais que fizeram história nos anos 90.

Fora do país, Ana Paula tem fama por “aquecer” qualquer público e, literalmente, ferver a noite. Seu talento já foi ovacionado por produtores internacionais como o DJ Offer Nissim, que a convidou para tocar na festa “Forever Tel Aviv”, a mais marcante de Israel.

Além disso, é uma das DJs que compõem as turnês itinerantes da boate Pacha, realizadas em diversos países. Das gigs de destaques da DJ, vale ressaltar as que foram feitas na White Party de Montreal; na Palm Springs, realizada no México; na Mansion de Miami; e na Fly promovida em Toronto, entre outras.


Outra atração da festa, que será realizada no fim do percurso da “Corrida do Arco-Íris”, é o DJ Márcio S., que todo mês cumpre agenda de residência no club D-Edge, localizado em São Paulo e considerado o melhor do país, segundo ranking da Cool Awards, e do SUB, situado em Manaus, no bairro Vieiralves. Entre os destaques da sua bagagem musical, Márcio se apresentou em uma das festas da edição nove do Big Brother Brasil (BBB), da Rede Globo.


O DJ local será Pedro Gaioto, que possui um público cativo na cidade, tocando muita house, eletro e deep house. Ele tem no currículo a apresentação com inúmeros DJs nacionais e internacionais e sempre está presente no line-up de eventos de referência da e-music. 
Pedro Gaioto terá a responsabilidade de “abrir” o evento e promete mostrar seu novo som, que vai “arrebentar” em 2014.

Diário de uma cinquentona


DIA 1
Celebramos hoje o 35º Aniversário de Casamento, um milagre! Tentamos reviver a nossa lua-de-mel, mas ele não conseguiu...

DIA 2
Hoje ele me contou o seu grande segredo: Está impotente!... Grande novidade. Ele realmente pensa que eu ainda não sabia.

DIA 3
Este casamento vai mal... Uma mulher tem seus direitos e suas necessidades.

DIA 4
Estou entusiasmada. Li no jornal, que há uma nova droga no mercado, que pode resolver nosso problema. Chama-se Viagra... Ele vai substituir o Prozac pelo Viagra, na esperança que levante algo mais do que só o entusiasmo.

DIA 5
Uma benção dos céus!...

DIA 6
A vida é maravilhosa!...

DIA 7
Tenho de confessar: O Viagra tem sido muito bom!... Nunca fui tão feliz...

DIA 8
Acho que ele exagerou na dose do Viagra neste fim de semana... Já começo a ficar um pouco assada e bem dolorida nas partes baixas.

DIA 9
Não tenho tempo nem para escrever... Ele pode me pegar a qualquer hora...

DIA 10
O.K., admito, estou escondida!... É que não há mulher que aguente tanto! O que hei de fazer? Estou toda moída e esfolada.

DIA 11
EU JÁ NÃO AGUENTO MAIS!... É o mesmo que ir para a cama com uma furadeira Black & Decker!... Acordei, esta manhã, vestida com duas calças jeans e colada à cama!

DIA 12
Quem me dera que ele fosse viado... Deixei de me maquiar, tomar banho, escovar os dentes... Mas, mesmo assim, ele vem atrás de mim. Até bocejar se transformou em perigo eminente!

DIA 13
Cada vez que fecho os olhos, lá vem mais um ataque... Vivo com um míssil Scud grudada no rabo! Já mal consigo andar...

DIA 14
Já fiz de tudo para ele me deixar em paz, mas não adianta. Até já me vesti como uma freira, mas foi pior ainda. Ele adorou. Socooooorro!...

DIA 15
Vou acabar por matá-lo. São umas dores infernais quando me sento... O cão e o gato fogem dele e os amigos nem se atrevem mais a aparecer em casa.

DIA 16
Hoje, sugeri-lhe que largasse o Viagra e voltasse a tomar o Prozac. Ele quase me encheu de porrada!!!

DIA 17
Eu coloquei Prozac na caixa do Viagra, mas parece que não fez efeito. Lá vem ele outra vez!...

DIA 18
GRAÇAS A DEUS!... O Prozac começou finalmente a fazer efeito! Meu marido passa agora, o dia inteiro sentado em frente à TV, com o controle remoto na mão, à espera que eu lhe faça tudo... Ele só quer saber de COMIDINHA, CERVEJINHA, FUTEBOL, FILMES, NOVELAS... Ah! Que vida calma e maravilhosa... Nunca fui tão feliz!

Nota do Editor do Mocó: Agora, responda rápido: dá pra entender as mulheres?...

Legislação complementar às Leis de Murphy


O criador dessa famosa série de leis foi o capitão da Força Aérea americana, Edward Murphy, que também foi a primeira vítima conhecida de sua própria lei. Ele era um dos engenheiros envolvidos nos testes sobre os efeitos da desaceleração rápida em piloto de aeronaves. Para poder fazer essa medição, construiu um equipamento que registrava os batimentos cardíacos e a respiração dos pilotos.

O aparelho foi instalado por um técnico, mas simplesmente ocorreu uma pane na hora do experimento e com isso Murphy foi chamado para consertar o equipamento. Ele descobriu que a instalação estava toda errada, daí formulou a sua lei que dizia: “Se alguma coisa tem a mais remota chance de dar errado, certamente dará”.

As principais Leis de Murphy:

Se alguma coisa pode dar errado, dará. E mais: dará errado da pior maneira, no pior momento e de modo que cause o maior dano possível.
Todo corpo mergulhado numa banheira faz tocar o telefone.
A informação mais necessária é sempre a menos disponível.
O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que ele mude, o realista ajusta as velas e quem conhece Murphy não faz nada.
Se você está se sentindo bem, não se preocupe. Isso passa.
Se a experiência funcionou na primeira tentativa, tem algo errado.
Você sempre acha algo no último lugar que procura.
Não é possível sanar um defeito antes das 17 e 30h da sexta-feira. O defeito será facilmente sanado as 9 e 01h da segunda-feira.
A probabilidade de o pão cair com o lado da manteiga virado para baixo é proporcional ao valor do carpete.
O gato sempre cai em pé.
Não adianta amarrar o pão com manteiga nas costas do gato e o jogar no carpete. Provavelmente o gato comerá o pão antes de cair em pé.

Novas leis e princípios demonstrados empiricamente:

O seguro cobre tudo, menos o que aconteceu (Lei de Nonti Pagam).
Quando você estiver com apenas uma mão livre para abrir a porta, a chave estará no bolso oposto. (Lei de Assimetrias).
Quando tuas mãos estiverem sujas de graxa, no mínimo vai começar a te coçar o nariz. (Lei da mecânica dos fluídos).
Não importa por que lado seja aberta a caixa de um medicamento. A bula sempre vai atrapalhar. (Princípio de Aspirinovisk).
Quando você acha que as coisas começam a melhorar, é porque algo te passou despercebido. (Primeiro teorema de Tamus Ferradus)
Sempre que as coisas parecem fáceis, é porque não entendemos todas as instruções. (Princípio de Atrop Lado)
Os problemas não se criam, nem se resolvem, só se transformam. (Lei da persistência de Waiterc Pastar)
Você vai chegar ao telefone exatamente a tempo de ouvir quando desligam. (Princípio de Ring A. Bell)
Se só existirem dois programas que valham a pena assistir, os dois passarão no mesmo horário. (Lei de Putz Kiparil)
A probabilidade que você se suje comendo algo é diretamente proporcional à necessidade que você tem de estar limpo. (Postulado do McDonald’s Big Nasty)
A velocidade do vento é diretamente proporcional ao preço do penteado. (Lei Meteorológica Pagá Barbero )
Quando, depois de anos sem usar, você decide jogar alguma coisa fora, vai precisar dela na semana seguinte. (Lei irreversível de Kitonto Kifostes)
Sempre que você chegar pontualmente a um encontro não haverá ninguém lá para comprovar, mas, se ao contrário, você se atrasar, todo mundo terá chegado antes de você. (Princípio de Tardelli e Esgrande La de Mora)

Lei da atração simultânea (coisas que se atraem sem qualquer esforço):

Pobre e funk
Mulher e vitrines
Homem e cerveja
Chifre e dupla sertaneja
Carro de bêbado e poste
Tampa de caneta e orelha
Moeda e carteira de pobre
Tornozelo e pedal de bicicleta
Leite fervendo e fogão limpinho
Político safado e dinheiro público
Dedinho do pé e ponta de móveis
Camisa branca e molho de tomate
Tampa de creme dental e ralo de pia
Café preto e toalha branca na mesa
Dezembro na Globo e Roberto Carlos
Segundas-feiras e sono
Terças-feiras e sono
Quartas-feiras e sono
Quintas-feiras e sono
Sextas-feiras e cervejaaaaaaaaaaaaaaaaa
Chuva e carro trancado com a chave dentro

Leis básicas da Ciência Moderna:

Se mexer, pertence à Biologia.
Se feder, pertence à Química.
Se não funciona, pertence à Física.
Se ninguém entende, é Matemática.
Se não faz sentido, é Economia ou Psicologia.
Se mexer, feder, não funcionar, ninguém entender e não fizer sentido, é Informática.

Lei da procura indireta:

O modo mais rápido de encontrar uma coisa é procurar outra.
Você sempre encontra aquilo que não está procurando.

Lei da telefonia:

Quando te ligam: se você tem caneta, não tem papel. Se tiver papel, não tem caneta. Se tiver ambos, ninguém te liga.
Quando você liga para números errados de telefone, eles nunca estão ocupados.
O seu crédito de celular sempre acaba no momento em que você mais precisa.
Parágrafo único: Todo corpo mergulhado numa banheira ou debaixo do chuveiro faz tocar o telefone.

Lei das unidades de medida:

Se estiver escrito 'Tamanho Único', é porque não serve em ninguém, muito menos em você...

Lei da gravidade:

Se você consegue manter a cabeça enquanto à sua volta todos estão perdendo, provavelmente você não está entendendo a gravidade da situação.

Lei dos cursos, concursos, provas e afins:

80% da prova final será baseada na única aula a que você não compareceu e os outros 20% será baseada no único livro que você não leu.

Lei da queda livre:

Qualquer esforço para agarrar um objeto em queda provoca mais destruição do que se o deixássemos cair naturalmente.
A probabilidade de o pão cair com o lado da manteiga virado para baixo é proporcional ao valor do carpete.

Lei das filas e dos engarrafamentos:

A fila do lado sempre anda mais rápido.
Parágrafo único: Não adianta mudar de fila. A outra é sempre mais rápida.

Lei da relatividade documentada:

Nada é tão fácil quanto parece, nem tão difícil quanto a explicação do manual.

Lei do esparadrapo:

Existem dois tipos de esparadrapo: o que não gruda e o que não sai.

Lei da vida:

Uma pessoa saudável é aquela que não foi suficientemente examinada por um médico.
Tudo que é bom na vida é ilegal, imoral, engorda ou engravida.

Lei da atração de partículas:

Toda partícula que voa sempre encontra um olho aberto 

Duelo de titãs: McDonald’s versus Burger King


Ana Carolina Prado

A rede de lanches McDonald’s foi fundada em Illinois (EUA) no ano de 1955 e hoje está presente em mais de 120 países. O Burger King apareceu um ano antes, na Flórida, mas perdeu espaço para a marca do palhaço Ronald e é a segunda na lista de maiores cadeias de hambúrgueres do mundo, com franquias em 69 países.

Talvez por ser uma rede maior, o Mcdonalds é o mais lembrado quando se fala a respeito dos malefícios de se comer fast food. Mas será que o Burger King é mais saudável? Listamos os 5 lanches mais calóricos de cada rede para você comparar. De quebra, ainda colocamos a quantidade de gordura trans (aquela maligna que não só aumenta o colesterol ruim, como também diminui o bom) em cada um. Prepare o babador porque isso aqui vai dar fome.


O Chicken Club Grill tem peito de frango grelhado, bacon e queijo ementhal. Fica a dica: não adianta pedir um hambúrguer de frango grelhado se ele divide espaço com o bacon, que a tua barriguinha não vai ficar mais sexy!

Em contrapartida, o 5º lugar do Burger King é bem mais calórico e tem mais do que o triplo da gordura trans do concorrente. Os culpados? Os 3 hambúrgueres, 6 fatias de bacon e 3 fatias de queijo do lanche. Não é para menos, né?


Triste: o bom e velho quarterão é uma bomba de gordura trans. O sanduíche tem esse nome porque o seu hambúrguer pesa 133g, aproximadamente um quarto de libra, ou “pound” (o nome em inglês faz mais sentido: Quarter Pounder with Cheese). E ainda tem 2 fatias de queijo, catchup, mostarda, cebola e picles.

Já o Whopper duplo do Burger King vem com 2 hambúrgueres que somam um total de 226g, além dos habituais catchup, maionese, cebola, picles e alface. Não deixa a cara saudável da saladinha te enganar, hein?


O Crispy é a versão empanada do Chicken Club Grill, feito com peito de frango. Essa opção é mais calórica porque, antes de ser frito, o peito de frango passa por uma mistura de farinha de trigo e ovos.

Mesmo assim, a quantidade de gordura trans é só o quarto do que encontramos no Steakhouse Burger, que vem com 150g de carne bovina, cebolas crocantes, molho barbecue e pão polvilhado com farinha de milho (além da saladinha e maionese). Sacanagem. VAMO BAIXAR A CALORIA AE, SEUS GOSTOSO!


Com um hambúrguer de 120g de carne bovina, queijo derretido e 2 fatias de bacon (além de cebola, maionese, catchup e mostarda), o McNífico Bacon ganhou medalha de prata no ranking do McDonald’s.

Mas não é páreo para o segundo lugar do Burger King: o seu Whopper Duplo com queijo tem cerca de 50% mais calorias. A receita inclui 2 fatias de queijo derretido e 2 hambúrgueres que, juntos, pesam 226g.


Pegue um hambúrguer de 150 gramas, 3 fatias de queijo, tomate, alface, cebola e molho especial e voilá: você tem um lanche recordista, pelo menos dentre as opções do McDonald’s. Lançado em 1996 para competir com o Whooper do Burger King (que tem um pouco mais de calorias, mas menos gordura trans), o lanche é vendido aqui como “O grande matador de fome”. Pudera: ele supre 42% das necessidades diárias de calorias de um adulto (com base em uma dieta de 2.000 kcal).

Mas o recordista do Burger King é ainda mais impressionante: com 4 hambúrgueres, 8 fatias de bacon e 4 de queijo, a delicinha supre mais da metade da sua necessidade calórica diária e manda para o seu organismo 2g do tipo mais maligno de gordura.

Resultado:


O Burger King vence bonito todas as brigas. À exceção do primeiro lugar, em que a diferença calórica é de apenas 20%, os lanches do Rei do Hambúrguer superam o oponente com mais de 50% de vantagem. A diferença só cai um pouco quando pegamos as opções menos calóricas, mas ainda é significativa (12%). 

O Hambúrguer simples do McDonald’s tem 257 kcal, enquanto o Hambúrguer Deluxe sem maionese do Burger King (que, apesar de ser a menos calórica, não é a versão mais simples da rede) tem 288 kcal.

Quem ficou com fome, mas se sente culpado levanta a mão. 

sexta-feira, abril 04, 2014

Barba, cabelo e bigode: um projeto de cinema e vídeo!


Lucio Branco

O ano da Copa do Mundo no Brasil mal começou e já promete em termos de protesto contra a sua realização. Ao que tudo indica, 2013 foi apenas um prelúdio do que virá pela frente.

As manifestações se iniciaram em junho último, durante – e também por causa – da Copa das Confederações, e o fato de o Brasil ter se sagrado campeão desta competição preparatória à Copa do Mundo não fez calar a voz das ruas.

O espírito de mobilização se estendeu para dentro das quatro linhas com a criação do movimento Bom Senso F.C., através do qual os jogadores reivindicam melhorias para a sua categoria.

A contestação associada ao esporte mais popular do mundo não é um fenômeno recente. E no Brasil nunca foi diferente. É o que Barba, cabelo e bigode pretende abordar.

Afonsinho e Nei Conceição iniciaram as suas carreiras em meados dos anos 1960, num momento histórico de forte repressão política no país. Originalmente na condição de companheiros de uma consagrada geração de craques do Botafogo, não abriram mão da liberdade justo quando a ditadura militar decidiu convocar a si mesma para também entrar em campo.

Os generais de então concluíram que até o esporte mais popular do país deveria ser escovado pelo pente fino da vigilância permanente: a rotina dos clubes passou a ser regida pelos mesmos códigos que já vinham condenando a sociedade civil ao arbítrio.

Munidos de bom senso bem antes de a expressão entrar em voga no meio futebolístico, Afonsinho e Nei Conceição enfrentaram a imposição das cartilhas de comportamento nos clubes, o regime de concentração, o controle sobre as condutas extra-campo etc.

É curioso notar que a atual causa do passe livre na questão do transporte público, que, em conjunto com a realização da Copa Mundo no país, foi um das razões da mobilização popular desde junho passado, leve o mesmo nome daquela que trouxe Afonsinho, em 1970 – noutro contexto e com outra significação específica – para o centro das discussões sobre os direitos dos profissionais da bola.

Quando o direito de ir e vir, seja dentro dos clubes, seja entre eles através das transferências dos atletas, ficou comprometido pela situação política nacional, atitudes pioneiras como as de Afonsinho e Nei Conceição foram também emblemáticas de um comportamento social característico do período.

O futebol e a vida têm relações muito mais frequentes do que se suspeita.

SOBRE O FILME


Barba, cabelo e bigode é um projeto de documentário de curta-metragem que aborda a trajetória rebelde de dois históricos jogadores de futebol que fizeram história em clubes de expressão do Brasil.

Barba, cabelo e bigode pretende ter como estrutura narrativa o diálogo entre os seus depoimentos em primeira pessoa. Sua edição dinâmica buscará confrontar e complementar as versões sobre os episódios rememorados e os respectivos pontos de vista daí originados.

Flagrantes atuais de ambos, o seu acervo pessoal de fotos e o material iconográfico de arquivos públicos consistirão em boa parte do material visual do filme. Entre algumas das imagens históricas, contaremos com aquelas do precioso documentário Passe livre, de 1974, de Oswaldo Caldeira, sobre Afonsinho.

Barba, cabelo e bigode terá por volta de 30 minutos de duração. O filme terá como cenário a ilha de Paquetá, onde ambos trabalham e costumam se encontrar para disputar partidas no clube local.


Lucio Branco é bacharel em Ciências Sociais (com monografia sobre Almir, o Pernambuquinho, jogador maldito do futebol brasileiro – condição confirmada pelo seu atual ostracismo), mestre em literatura brasileira e doutor em literatura comparada, mas trocaria essa titulação pela condição de diretor, roteirista e realizador de Barba, cabelo e bigode.

Também é ex-livreiro, ex-office boy, ex-atendente de locadora de vídeo, revisor, discotecário, produtor cultural, dentre outras formas mais ou menos dignas de sujeição involuntária ao subemprego.

No audiovisual escreveu argumentos e roteiros não filmados. Dirigiu o documentário da restauração do filme Copacabana, mon amour, do cineasta Rogério Sganzerla, para servir como extra na sua versão em DVD.

Torce pelo Botafogo, dado mais importante que todos os anteriores somados.


O valor que estamos pedindo é o de R$ 40.000,00. Com esse valor, conseguiremos arcar com a pré-produção, a produção e a finalização do documentário.

Iremos pagar uma pequena ajuda de custo para a equipe envolvida (diretor, produção, fotógrafo, técnico de som, montador, mixador e designer); aluguel de equipamento de câmera, luz e serviços de finalização; transporte e alimentação para os dias de gravação; direito de uso de imagens de arquivo etc.

Você pode contribuir com a realização desse filme, e ainda ganhar outros bônus pela sua contribuição. Dependendo da cota escolhida (que vão de R$ 25,00 a R$ 2.000,00), você pode levar – além da gratificação de ter ajudado na realização da obra – o seu nome nos créditos como agradecimento, versões estendidas e exclusivas das entrevistas que ficarão de fora do documentário, DVD do filme, imãs, camisetas e cartazes autografados e até mesmo uma tarde em Paquetá jogando pelada com Afonsinho e Nei Conceição.

Sua contribuição é essencial para resgatar/valorizar essa história e levarmos ao conhecimento de um público maior a trajetória de dois craques que sempre souberam fazer a diferença.

AGORA, UM BREVE PERFIL BIOGRÁFICO DOS JOGADORES:


Afonso Celso Reis Garcia, o Afonsinho, é conhecido por ser o primeiro jogador a conquistar o passe livre no futebol brasileiro. A aura de jogador rebelde, além de confirmada na barba e nos cabelos compridos quando ninguém ainda os exibia nos gramados, transparecia na consciência política desenvolvida em plenos anos de chumbo. Evidentemente, esses são aspectos singulares.

Mas há algo que deveria ser considerado com mais frequência sobre ele: é que o seu engajamento talvez não tivesse a mesma ressonância histórica não fosse a sua intimidade com a bola. Afonsinho foi um craque monumental. Isso, por si só, já lhe atraía os holofotes. E o fato de ter sido pouco convocado à seleção nada teve a ver com critérios técnicos.

Ainda muito novo, Afonsinho era uma promessa nas divisões de base do XV de Jaú. Apostando no próprio potencial, fez as malas para o Rio de Janeiro em 1965, movido pela mesma vontade de independência que foi a constante da sua carreira. O apelo da mística do Botafogo de Garrincha, Didi e Nilton Santos falou mais alto e ele não hesitou em escolher o seu novo destino na metrópole.

Após breve passagem pelos juniores, Afonsinho foi alçado à condição de reserva, e logo, à de titular na meia-direita na equipe principal de General Severiano. Foram alguns anos assim. Ciente da curta vida útil do atleta profissional, e também pelo desejo de se emancipar, dividia o período de treinos e concentração com a faculdade de medicina. E não demorou a se converter, para a diretoria, numa incômoda exceção à regra.

Afonsinho era articulado e exercia uma liderança espontânea entre os companheiros. Defendia direitos elementares que só o clube teimava em não considerar como tais. O pagamento em dia dos prêmios pelas vitórias do time era um deles.

O diretor de futebol Zeferino Xisto Toniato e o técnico Mario Jorge Lobo Zagallo passaram a considerá-lo muito destoante do restante do grupo. A começar pela sua aparência. Implicaram com a sua barba rala, o cabelo um pouco maior que o permitido pelo padrão vigente: – “Quer parecer um tocador de guitarra, um cantor de iê, iê, iê?” – perguntaram, tentando dar um tom brando à censura.

Em protesto, deixou-os crescer ainda mais. Afonsinho reivindicava melhores condições de trabalho para si e os outros jogadores. Dentre todas as reivindicações, a do passe livre tornou-se aquela que historicamente mais se associaria ao seu nome. Verdadeiro grilhão que aprisiona o jogador ao clube, o passe era – e ainda é, para quem não o detenha – a principal garantia de controle sobre os atletas por parte dos cartolas.

Após longa batalha judicial contra os dirigentes alvinegros pela disputa do seu passe, a Justiça, de forma inédita (e inesperada), deu-lhe ganho de causa. O sinal de alerta foi ligado nas outras agremiações. O camisa 8 tornou-se um exemplo perigosamente influente dentro do sistema do futebol brasileiro.

General Severiano foi a primeira estação da sua trajetória cigana pelo profissionalismo. Uma trajetória marcada, principalmente, pelos embates com a cartolagem e os códigos disciplinares de todos os clubes pelos quais jogou. Além dos outros três grandes do Rio, a lista inclui Santos, Olaria, Madureira e América-MG.

Não é de surpreender que fosse fichado no DOPS, ou que tivesse seus passos vigiados de perto tanto nas concentrações – mesmo quando em excursões internacionais – como na sua rotina universitária. Os infiltrados devem ter tido muito trabalho, já que Afonsinho frequentava círculos que não só o do futebol.

A amizade com músicos rendeu “Meio de campo”, de Gilberto Gil, em louvor a sua luta. A canção aparece como um dos elementos narrativos de Passe livre, formidável documentário em longa-metragem de 1974, de Oswaldo Caldeira, que flagra o seu nomadismo clubístico ao sabor das desavenças que ia acumulando com dirigentes e treinadores.

Entre as rescisões de contrato, excursionava em esquema mambembe com o Trem da Alegria, time que reunia artistas, jornalistas e jogadores temporariamente desempregados como ele. Era a solução para se manter em forma e melhor viver a liberdade conquistada.

Contestador em nome da classe, e não por ressentimento pessoal, Afonsinho se relaciona com o mundo à maneira do seu antigo fino trato com a bola. Outros reivindicaram direitos antes dele, mas nenhum o fez com tamanha consciência. Ou mesmo conseguiu conquistá-los como ele conquistou. Isolado, lutou pioneiramente por todos. Foi, com o perdão do trocadilho, um solidário solitário. E também um revolucionário, fazendo jus ao título como ninguém.

Outros dissidentes do futebol trilharam o caminho que ele pavimentou. Quanto à lei do passe, até os atletas mais alienados vieram a ser beneficiários do seu gesto precursor. A geração atual de jogadores profissionais não sabe, mas tem uma dívida descomunal para com Afonsinho.


Consta que Nei Conceição, na véspera da sua transferência do Botafogo para o Palmeiras, não parecia dar muita importância ao que estava para se consumar dentro de algumas horas. Ele iria integrar a histórica Academia Palmeirense, a maior geração de jogadores formada no Parque Antártica.

Era o início dos anos 1970, e, naquele dia, como de costume, Nei estava passando tempo na célebre comuna dos Novos Baianos, em Jacarepaguá. Caso se desse por sua falta em General Severiano, já era sabido o seu paradeiro. Havia até quem achasse que ele preferia treinar com Moraes Moreira e seus parceiros de banda – conhecidos também pelo espírito peladeiro – do que com seus companheiros de clube.

E naquela ocasião em particular, Nei intuiu a promessa de uma confluência astral com outra frequentadora do lugar, e pernoitou por lá mesmo. Sua cabeça não estava ocupada com certos detalhes da viagem como, por exemplo, a hora marcada do voo. Ou, ainda, a coletiva de imprensa e os dirigentes e torcedores alviverdes que o aguardavam para a apresentação formal do dia seguinte. Por ele, São Paulo podia esperar.

Num arroubo de responsabilidade profissional raro entre músicos do período, seus anfitriões tentaram convencê-lo que o melhor era ir. Afinal, ele iria jogar ao lado de Ademir da Guia, simplesmente, o maior ídolo da história do clube paulistano. Mas não deu resultado. E o fim foi mais que previsível: perdidos o voo e a transferência, Nei prosseguiu ganhando menos no Botafogo. Pelo menos, não teria que pegar a ponte área quando quisesse visitar os seus amigos em Jacarepaguá – deve ter calculado assim.

Nei da Conceição Moreira é um craque injustamente pouco comentado do futebol brasileiro. Habilidoso, do gênero que matava a bola no peito como ninguém e a fazia correr colada aos pés, tinha, em igual medida ao seu talento, horror à cartilha que rege a rotina dos clubes. Os ponteiros do seu relógio pessoal tinham vida própria, funcionavam conforme um compasso fora do tempo ordinário.

O técnico Zagallo, mesmo tendo sido testemunha diária do seu temperamento no Botafogo, não abriu mão de tê-lo entre os primeiros convocados logo que assumiu o grupo que viria a se sagrar, meses depois, tricampeão na Copa do México, em 1970.

Mas a aposta não foi muito longe: acabou barrando-o. O motivo alegado? Indisciplina. O regime da seleção era outro, mais rigoroso, sob intervenção militar – modelo que, dentro em breve, passaria a ser adotado pela maioria dos clubes do país.

Assim, paradoxalmente, voltou à “Selefogo” – um esquadrão de craques permanentemente a postos para qualquer convocação ao escrete canarinho –, mas na condição de não selecionável. Seguiu apresentando a mesma categoria e estilo de comportamento no clube que o revelou até encerrar a carreira, prematuramente, pelo CSA de Alagoas, em 1975.

Nei Conceição era insubmisso por reflexo até numa pelada. Numa delas, novamente com os Novos Baianos, no clube Caxinguelê, no Horto, ele foi além da conta. Após driblar o time adversário inteiro, incluindo o goleiro, e com o gol escancarado, pronto para o chute fatal, decidiu voltar e repetir o feito.

Gostou tanto da experiência que quis vivê-la mais uma vez. Porém, diante da censura dos companheiros de equipe, desistiu. E na justificativa, saiu-se com essa: “Aqui eu não pago pra jogar? Então faço o que eu quero!”.

Mais Nei Conceição, impossível.